Relactação, técnica para o sucesso na amamentação

Por: Mirian Lamy

Foto: Mirian Lamy – Ensaio recém-nascido Lifestyle

Na semana passada fui fotografar uma recém-nascida linda e no momento da amamentação, a mamãe fez os procedimentos para a relactação. Confesso que eu não sabia muitos detalhes sobre a técnica. Então decidi pesquisar mais a respeito, para publicar aqui. Gente, fiquei encantada com a simplicidade e com os excelentes resultados da técnica para o sucesso na amamentação.

Foto: Mirian Lamy – Ensaio recém-nascido Lifestyle

Na verdade, diz-se que Relactação é quando a mulher já amamentou e teve que interromper por motivo de doença, medicação ou cirurgia, mas quer voltar a amamentar. E Lactação Induzida é a técnica para complementar a amamentação e estimular a produção do leite materno. Mas na prática, a técnica é a mesma e a palavra Relactação é a mais comumente usada.

Foto: Mirian Lamy – Ensaio recém-nascido Lifestyle

A técnica é bem simples: Coloque em um recipiente esterilizado o leite – de preferência o materno, se foi possível fazer a extração, ou mesmo a fórmula prescrita pelo seu médico. Coloque dentro do recipiente uma extremidade de uma sonda, do tipo nasogástrica bem fininha (nº 4) – facilmente encontrada em casas de materiais cirúrgicos. A outra extremidade da sonda deve ser fixada ao seio oferecido ao bebê, junto ao bico, como se fosse um canudinho. No momento da sucção, o bebê sugará ao mesmo tempo o bico do seio e a sonda com o leite complementar.

Google Iamgens

No mercado já existem kits próprios, mas você pode utilizar utensílios caseiros, desde que devidamente esterilizados. O papai pode ajudar cuidando disso.    

Esta técnica pode ser usada por tempo indeterminado ou nos primeiros dias de vida do bebê, até que os objetivos da lactação sejam alcançados.

Veja a declaração da querida cliente Giselle Guginski, que utilizou esta técnica, há 3 anos, quando a sua lindinha nasceu.

“A minha filha nasceu bem magrinha e nos primeiros dias não tinha força suficiente para mamar, logo dormia de cansaço. A relactação foi fundamental para o sucesso da nossa história de aleitamento, pois garantia um melhor aporte de leite com a sucção ainda fraquinha da minha recém-nascida, fornecendo mais nutrientes e calorias para que ela se desenvolvesse, e desta forma pudesse sugar normalmente. Utilizamos a técnica nos primeiros dez dias de vida, após este tempo ela pegou normalmente o seio e continuamos até que ela completasse um ano e meio. A grande vantagem da técnica é que não há confusão de bicos, como ocorre com o uso da mamadeira. ”

Foto: Mirian Lamy – Ensaio recém-nascido Lifestyle

Estimulação da produção do leite materno: Essa sucção aumenta e muito a chance de estimular a produção do leite materno, entre 15 e 45 dias após o início da técnica, em média. Lembrando que a mamãe deve manter uma dieta balanceada, beber muito líquido e estar bem tranquila.

Foto: Mirian Lamy – ensaio recém-nascido Lifestyle

Leia o depoimento da cliente querida, a Jeniffer Lopes:

“A relactação foi uma salvação para mim. Como toda mãe, quando minha filha nasceu, era um sonho amamentar. Mas não sabia o quanto essa etapa era difícil. A começar que eu não tinha leite.
Então, ao sair do hospital,  fui no Projeto Casulo e lá fui orientada sobre a relactação, massagens, alimentação e principalmente manter a calma (o mais complicado).
E após alguns dias, eu já tinha um pouco de leite pois quanto mais o bebê suga, maior possibilidade de ter leite. E assim utilizo a técnica até hoje.
Por orientação da pediatra, ela mama com a sonda em todas as mamadas, pois ainda não tenho leite suficiente e minha  filha se adaptou bem.”

Recomenda-se a relactação quando a amamentação precisa ser complementada:

. quando o bebê apresenta alguma dificuldade de fazer a “pega” da mama corretamente, que o impeça de sugar todo o leite de que precisa.

. quando o bebê apresenta baixo peso e precisa ganhar peso em um espaço determinado de tempo.

. quando o bebê rejeita uma mama ou as duas.

. nos casos em que a mãe apresenta baixa produção de leite.

. quando a mamãe quer retomar a amamentação, depois de ter feito uma cirurgia ou tomado algum tipo de medicamento.

. e também (olha que espetacular) quando a mãe de criança adotada deseja amamentar.

A amamentação é o momento do alimento, da nutrição, mas também é um momento de proximidade, de formação de vínculo com o seu bebê e ele com você. Estar aconchegado, junto à mamãe é alimento para o desenvolvimento afetivo e mental do bebê.

As mamães que porventura tenham ou possam vir a ter algum problema com a produção de leite, já podem ficar mais tranquilas, pois com a relactação, seu bebê estará bem alimentado.

Fontes: Crescer/bebês, Bebê.com.br

Leia mais sobre amamentação aqui.

Foto: Mirian Lamy – Ensaio recém-nascido Lifestyle

 

Gostou do post? Compartilhe com aquela sua amiga que está amamentando ou vai amamentar em breve.

Entre em contato.

Cadastre seu email para receber os novos posts.⇑ 

Comente aqui ⇓ Beijos de Mirian Lamy Fotografia

 

Amamentação sem mistérios

Por: Mirian Lamy

 

Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Amamentar é muito gostoso. É a sensação plena da maternidade. É nutrir, aconchegar e amar. Além de proteger o seu bebê de infecções e contribuir para o seu desenvolvimento físico e emocional.
Para uma amamentação prazerosa e eficaz, pesquise, pergunte e converse com seu médico, seu companheiro, sua amiga, alguém de sua confiança.
Como agosto é o mês escolhido para a divulgação e esclarecimentos sobre amamentação, o Agosto Dourado, elencamos por aqui, alguns assuntos, que espero serem de muita utilidade para você.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio Acompanhamento do Bebê
Mudanças em seu corpo: Logo no comecinho da gravidez, seus seios ficam muito sensíveis e inchados. Os mamilos e as aréolas escurecem. Neste momento as glândulas mamárias já se preparam para produzir o leite. No momento da sucção pelo bebê, o leite materno será levado pelos ductos para extremidade do mamilo.
O mais incrível é que todo este sistema de distribuição do leite, fica prontinho já no segundo trimestre de gestação, para um eventual parto prematuro.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio Na Maternidade
Colostro: Quando o bebê nasce, a “fábrica” de leite intensifica sua produção e o leite chega a encher as mamas, após 48 h. Enquanto isso, o bebê será alimentado pelo colostro. Colostro é o primeiro leite produzido pela mãe após o parto. É um líquido espesso de cor amarelada ou transparente. Embora seja produzido em pequena quantidade, é rico em nutrientes necessários, para alimentar adequadamente o recém-nascido. Possui agentes imunológicos, para a defesa do organismo de seu bebê. Além disso, o colostro auxilia o sistema digestivo do bebê, que ainda está imaturo, após o nascimento.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Composição do leite materno: água, gordura, vitaminas, açúcares, substâncias anti-inflamatórias, sais minerais, células-tronco, entre outros componentes.
O curioso é que no início da mamada o leite tem mais água para matar a sede do bebê. E a medida que a bebê mama, o leite vai se tornando mais gorduroso, para saciar a fome.
amamentação
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Só boas notícias: O aleitamento reduz o risco de mortalidade infantil, graças à sua composição e o poder de evitar infecções. O correto é o aleitamento exclusivo, sem chazinho e sem água, até os seis meses de idade.
O leite materno é tão perfeito que ele apresenta em sua composição os oligossacarídeos, açúcares não absorvidos pelo corpo do bebê, mas sim pelas bactérias da flora intestinal do bebê.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Para as mães, a amamentação protege contra o câncer de ovário e de mama. E previne a depressão pós-parto.
Além disso, amamentar ajuda às mamães recuperarem o peso pré-gestação e perderem aquela barriguinha, pois o hormônio ocitocina liberado no momento das mamadas, contrai o útero.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio Na maternidade
Amamentação na PRÁTICA: Quando o bebê pega (abocanha) o peito direitinho, a amamentação não deve doer. A pega certa é muito importante. O bebê tem de colocar quase toda a aréola dentro da boca para mamar.
Foto: Google – Pega correta na amamentação
Os movimentos musculares que o bebê faz, para sugar o leite corretamente, contribuem para o desenvolvimento físico de sua cavidade bucal.
O leite é produzido à medida que o bebê suga, portanto, o peito deve ser oferecido ao bebê, sempre que ele desejar.
Posicione-se em uma cadeira, poltrona, etc, confortavelmente e tenha sempre ao seu lado um copo d’água. Dá uma sede! 
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Almofadas são úteis para o posicionamento e conforto seu e de seu bebê.
As mamadas não têm horários rígidos, quem determina a duração de uma mamada é o bebê, que ao estar satisfeito, solta o peito naturalmente. No entanto, é importante que o recém-nascido não fique mais que três horas sem mamar.
Troque de peito apenas quando você sentir que a mama ficou mais leve.
Não use sutiãs muito apertados. Sutiãs de amamentação são práticos e confortáveis e posicionam seu seio melhor na hora de amamentar.
Repouse e beba muito líquido, lembre-se que seu corpo vai fornecer a água necessária para o seu leite e para o seu bebê.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
Mitos e Verdades:
Não há leite materno fraco. O leite materno tem composição igual ou semelhante para todas as mamães.
Canjica e caldo de cana NÃO aumentam a produção de leite, só te engordam. A produção do leite materno depende principalmente da sucção do bebê. Quanto mais o bebê suga, mais leite será produzido.
O leite materno pode ser congelado por até quinze dias sem perder sua qualidade nutricional, se armazenado adequadamente.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio RN Lifestyle
A cirurgia nos seios (redução das mamas ou implante de silicone) não impede a mulher de amamentar. Desde que sejam preservadas as estruturas de glândulas mamárias.
O seio não precisa ser grande ou estar grande para produzir leite.
Banco de Leite Humano é seguro, pois o leite é tratado, pasteurizado e, por isso, não há possibilidade de transmissão de doenças.
Foto: Mirian Lamy – Ensaio Na Maternidade
Pode acontecer, mas não se apavore:
. Bico do seio rachado e dolorido: decorrente da pega errada. Procure orientações sobre a pega correta. Para a cicatrização, tire e espalhe uma gota de leite no mamilo após cada mamada.
. Leite empedrado: ocorre quando o leite materno não sai, pois o ducto da mama está entupido. Deve-se fazer uma massagem nos seios e retirar o leite com aparelho adequado. Procure orientação médica.
. Mastite: é uma infecção bacteriana que afeta a mama.     Além de causar dor na região, o problema pode         prejudicar o aleitamento. É necessária prescrição adequada do seu médico.
Foto: Mirian Lamy- Ensaio RN Lifestyle
Aproveite este momento para criar um vínculo com o seu bebê. Seu aconchego, o olho no olho, os carinhos, sua pele com a pele dele. Seu cheiro e o cheirinho dele. São momentos preciosos. Aproveite este momento lindo de AMAMENTAR.
Fontes: Master Health/Blog da saúde – Ministério da Saúde/Baby center/Super interessante/+Tua Saúde

Leia sobre Relactação (técnica para o sucesso da amamentação) aqui.

 

Você está ou conhece alguém que está ou vai entrar nesta fase de amamentação? Compartilhe  Tenho certeza que muitas mulheres vão poder aprender mais sobre o assunto. 

Gostou do post? Entre em contato.

Cadastre seu email para receber os novos posts.⇑ 

Comente aqui ⇓ Beijos de Mirian Lamy Fotografia.